Tag Archives: Singles

Angel Olsen: “Shut Up Kiss Me” (VÍDEO)

.

Com o lançamento de Intern, há poucas semanas, Angel Olsen parecia indicar a busca por uma sonoridade completamente remodelada, elétrica, distante do folk melancólico incorporado nos dois últimos álbuns de estúdio – Half Way Home (2012) e Burn Your Fire for No Witness (2014). Mesmo bem-sucedida, a tímida criação está longe de igualar na mesma atmosfera transformadora de Shut Up Kiss Me, mais recente composição da cantora norte-americana e uma de suas músicas mais poderosas até aqui.

Da curiosa explosão das guitarras – no melhor estilo Liz Phair –, passando pelos versos violentos da canção – “cale a boca, me beije e me amarre com força” –, Olsen cria uma faixa que não apenas se distancia do material apresentado nos últimos quatro anos, como indica a completa força de My Woman (2016), terceiro álbum de estúdio da jovem artista. Junto da canção, Olsen apresenta o segundo clipe dirigido por ela, apresentando a mesma peruca prateada de Intern e indicando a construção de um universo próprio dentro do novo disco.

My Woman (2016) será lançado no dia 02/09 pelo selo Jagjaguwar.

.

Angel Olsen – Shut Up Kiss Me

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

INKY: “Parallax”

.

O peso das guitarras é claro dentro de Parallax. Mais recente composição do quarteto paulistano INKY – projeto formado por Luiza Pereira, Guilherme Silva, Stephan Feitsma e Luccas Villela –, a faixa que conta com pouco mais de quatro minutos pode até estimular o ouvinte a dançar, mergulhando no mesmo dance-rock-obscuro do álbum lançado há dois anos, Primal Swag (2014), entretanto, está no uso de pequenos encaixes experimentais o estímulo não apenas para a presente faixa, mas a base para o novo registro de inéditas do grupo.

Difícil não lembrar de Savages e outros grupos recentes de pós-punk quando o baixo se desmancha suavemente ao fundo da canção, estimulando o uso dos demais instrumentos ou mesmo a voz de Pereira, forte durante toda a construção da faixa. Parallax, assim como o novo álbum da INKY, conta com produção de Guilherme Kastrup, músico que trabalhou na construção do elogiado A Mulher do Fim do Mundo (2015). Em entrevista ao site da Red Bull, Pereira comenta o processo de gravação do novo disco, bem como a recém-lançada composição.

.

INKY – Parallax

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Still Corners: “Lost Boys”

.

Meses após o lançamento da inédita Horses at Night, a banda londrina Still Corners está de volta com algumas novidades. Trata-se de Dead Blue (2016), primeiro registro de inéditas do grupo desde o elogiado Strange Pleasures, álbum de 2013 e uma das obras mais complexas já apresentadas pela banda desde o início da carreira. Para apresentar o novo registro de forma definitiva, o grupo apresenta ao público a recém-lançada Lost Boys.

Típica canção do Still Corners, a faixa dominada pelo uso de sintetizadores – principal marca do trabalho da banda – vai de encontro ao final da década de 1980, incorporando uma série de referências e temas instrumentais que surgiram na época. Sobram ainda pequenas ambientações climáticas, bastante similares aos trabalhos de John Carpenter, como se Lost Boys tivesse acabado de sair da trilha sonora de algum filme de terror, conceito reforçado pelo clipe da canção.

Dead Blue (2016) será lançado no dia 16/09 pelo selo Wrecking Light.

.

Still Corners – Lost Boys

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Ice Choir: “Unprepared”

.

Quatro anos após o lançamento de Afar (2012), Kurt Feldman continua dando vida ao mesmo som nostálgico que abasteceu o primeiro álbum de inéditas do Ice Choir. Mais conhecido pelo trabalho como baterista do grupo The Pains of Being Pure At Heart, o cantor, compositor e produtor norte-americano anuncia a chegada de um novo álbum de estúdio: Designs In Rhythm (2016), o segundo desde que deu vida ao curioso projeto paralelo de synthpop/dream pop.

Mais recente invento de Feldman e seus parceiros de banda, Unprepared não apenas resgata grande parte do espírito musical da década de 1980, como confirma a clara evolução do músico estadunidense. São melodias descomplicadas, vozes brandas e sintetizadores que parecem ter saído de algum jogo de aventura lançado há mais de três décadas. Uma clara continuação de todo o trabalho produzido há quatro anos, porém, de forma ainda mais acessível, pop e pegajosa.

Designs In Rhythm (2016) será lançado no dia 09/09 pelo selo Shelflife/Fastcut.

.

Ice Choir – Unprepared

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Cass McCombs: “Run Sister Run”

.

Acompanhado de perto pela cantora Angel Olsen, Cass McCombs deu vida a uma das composições mais dolorosas que apareceram nos últimos meses: Opposite House. Parte do novo registro de inéditas do cantor e compositor estadunidense, Mangy Love (2016), trabalho que sucede o bom Big Wheel and Others, lançado em 2013, a parceria com Olsen está longe de parecer a principal representante do novo álbum de McCombs.

Longe da habitual melancolia que ocupa grande parte dos trabalhos do músico, a inédita Run Sister Run mostra um artista completamente fora da dolorosa zona de conforto que vem sendo seguida desde Catacombs (2009). Entre guitarras rápidas e ambientações que curiosamente dialogam com a música brasileira, McCombs cria uma faixa marcada pelos contrastes, efeito do ritmo descompromissado que bate de frente com uma letra marcada por elementos políticos.

Mangy Love (2016) será lançado no dia 26/08 pelo selo ANTI-.

.

Cass McCombs – Run Sister Run

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

Brian Fresco: “Higher” (ft. Chance The Rapper, Blue Hawaii)

.

Um dos integrantes do coletivo SaveMoney, projeto que conta com grandes nomes da cena de Chicago como Chance The Rapper, Joey Purp e Vic Mensa, Brian Fresco passou os últimos cinco anos produzindo uma série de boas mixtapes. Trabalhos como o colaborativo Mafioso, de 2013, obra que inclusive conta com a presença do trompetista Donnie Trumpet, além de Soul Money, álbum de 2014 lançado em parceria com MC Tree.

Com esse espírito “colabortativo”, Fresco apresenta a inédita Higher. Trata-se de uma uma bem-sucedida parceria com Chance The Rapper e, principalmente, com a dupla canadense Blue Hawaii, formada por Raphaelle Standell-Preston e Alex Cowan. O resultado está na construção de uma faixa essencialmente pop, lembrando muito os remixes e faixas divididas entre Danny Brown e o duo canadense Purity Ring.

.

Brian Fresco – Higher (ft. Chance The Rapper, Blue Hawaii)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Hoops: “Cool 2”

.

Original da cidade de Bloomington, Indiana, o Hoops é um quarteto de Dream Pop/Rock Psicodélico que parece seguir à risca grande parte dos “ensinamentos” deixados no final da década passada por diferentes nomes da cena alternativa norte-americana. Artistas como Real Estate e Ariel Pink, referências que ecoam de forma explícita dentro do mais recente trabalho do grupo, Cool 2, primeiro single do homônimo EP da banda que conta com distribuição pelo selo Fat Possum.

Com pouco menos de dois minutos de duração, Cool 2 esbanja melodias ensolaradas e reverberações nostálgicas que tanto dialogam com os nomes acima citados, como incorporam elementos lançados há mais de três décadas nos primeiros discos do R.E.M. e demais veteranos da época. Observado em proximidade aos últimos trabalhos do grupo, a nova faixa não apenas confirma a evolução do quarteto como parece indicar a busca do grupo por um som ainda mais “pop”.

.

Hoops – Cool 2

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Porches: “Car” (VÍDEO)

.

Aaron Maine passou os últimos cinco anos envolvido em uma série de projetos da cena nova-iorquina. Trabalhos assinados em parceria com a namorada, Greta Kline, do Frankie Cosmos, ou mesmo diferentes registros que abastecem a discografia do Porches no Bandcamp. Nada que se compare ao material apresentado em Pool (2016). Primeiro trabalho do produtor lançado por um grande selo – Domino Records, casa de bandas como Arctic Monkeys e Franz Ferdinand -, o álbum de lírica melancólica assume uma explícita curva instrumental dentro do rico catálogo de obras produzidas pelo artista desde a estreia em 2011.

Catapultado pela fluidez pop e melodias descomplicadas de Be Apart, o presente registro rompe de maneira explícita com o som testado por Maine até o antecessor Slow Dance in the Cosmos, de 2013. Livre das guitarras, são as bases movidas por sintetizadores minimalistas que prendem a atenção do ouvinte. Uma coleção de melodias, vozes e batidas tímidas que resumem todo o potencial do trabalho durante a construção da inaugural (e levemente dançante) Underwater. [Leia o texto completo]

Com direção assumida por Daniel Brereton e coreografias contidas, Car é o mais novo clipe da banda norte-americana Porches.

.

Porches – Car

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Devendra Banhart: “Middle Names”

.

As melodias descomplicadas e versos apaixonados de Mala (2013) deram novo significado ao trabalho de Devendra Banhart. Longe do experimentalismo incorporado nos primeiros álbuns de estúdio, o cantor e compositor norte-americano fez do oitavo registro de inéditas um de seus trabalhos mais acessíveis, acolhedor como mostram composições como Mi NegritaFür Hildegard von Bingen, proposta que volta a se repetir com a chegada de Middle Names.

Movida pela leveza dos arranjos, ruídos caseiros e vozes que se aproximam do trabalho produzido pelo duo norueguês Kings of Convenience, a canção foi justamente a escolhida para apresentar o novo álbum de estúdio de Banhart: Ape In Pink Marble (2016). O registro conta com a co-produção de Noah Georgeson e Josiah Steinbrick, parceiros de longa data do músico estadunidense, além de outras 12 composições inéditas.

Ape In Pink Marble (2016) será lançado no dia 23/09 pelo selo Nonesuch.

.

Devendra Banhart – Middle Names

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

Cymbals Eat Guitars: “4th Of July, Philadelphia (SANDY)”

.

A sonoridade ensolarada de LOSE (2014) definitivamente parece ter ficado para trás. Dois anos após o lançamento do terceiro álbum de estúdio, os integrantes do Cymbals Eat Guitars seguem um caminho completamente distinto, sombrio e marcado por referências que dialogam com a música dos anos 1970 e 1980. Passado o lançamento de Wish, composição que flerta com a obra de David Bowie e The Smiths, o grupo apresenta a inédita 4th Of July, Philadelphia (SANDY), mais uma vez buscando por novas possibilidades e influências.

Típica composição do CEG, a faixa de versos explosivos, respiros angustiados e guitarras marcadas pela distorção temporariamente explora um passado ainda recente, mergulhando de cabeça na primeira metade dos anos 2000. Da forma como os vocais em coro flutuam ao fundo da canção, passando pelas sobrecargas de ruídos, todos os elementos apontam para a obra de grupos como The Wrens, American Football e Modest Mouse, nomes de destaque da cena independente dos Estados Unidos no começo da década passada.

Pretty Years (2016) será lançado no dia 02/10 pelo selo Sinderlyn.

.

Cymbals Eat Guitars – 4th Of July, Philadelphia (SANDY)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,