Terno Rei: “Vento Na Cara” (VÍDEO)


Parte dessa evidente transformação e mudança na sonoridade da banda se reflete na decisão do quarteto em trabalhar com novos parceiros em estúdio. Longe de casa, o grupo contou com o suporte dos produtores Gustavo Schirmer (Marrakesh) e Amadeu De Marchi para as gravações do álbum no Nico’s Studio, em Curitiba. O resultado está na produção de um material que se despe de possíveis fórmulas complexas, como um diálogo da banda com o trabalho de veteranos do pop rock produzido nos anos 1980 e 1990. São ecos de Barão Vermelho (Amor-Perfeito) e até Legião Urbana (Roda Gigante) que se materializam em uma linguagem autoral, própria da Terno Rei.

Claro que essa propositada mudança de direção não interfere na produção de músicas deliciosamente amargas, ainda íntimas do material entregue nos últimos dois discos da banda. “Onde é que vou agora que você se foi? / Me Perdi“, desaba o eu lírico na soturna São Paulo, faixa dominada pela dor de sentimentos e memórias recentes de um relacionamento fracassado. A mesma angústia da partida volta a consumir o trabalho na atmosférica 93 (“Quanto tempo faz / Que eu esperei / Vou aceitar“), música adornada pela inserção de sintetizadores nostálgicos, proposta que naturalmente aproxima o quarteto paulistano de grupos como Wild Nothing, Real Estate e demais representantes do dream pop estrangeiro. Leia o texto completo.

Os integrantes da Terno Rei não param. Depois de revelar ao público os vídeos de Dia Lindo e 93, a banda paulistana está de volta com mais um clipe do álbum Violeta (2019). Trata-se de Vento na Cara, trabalho que conta com direção assinada pela prolífica dupla do Couple of Things.


Terno Rei – Vento na Cara