TOPS: “Direct Sunlight”


Quem há tempos acompanha o trabalho do TOPS, dificilmente deve se decepcionar com o quarto álbum de estúdio do grupo canadense, o aguardado I Feel Alive (2020). Como indicado durante toda a sequência de lançamentos da banda formada por Jane Penny, David Carriere, Riley Fleck e Marta Cikojevic, o sucessor de Sugar At Gate (2017) deve, mais uma vez, conduzir o ouvinte em direção ao passado. São melodias nostálgicas que vão da disco music ao synthpop, proposta que ganha ainda mais destaque com a entrega de Direct Sunlight, música de abertura do registro.

Sequência ao material entregue em Colder & Closer, Witching Hour e a própria faixa-título do disco, Direct Sunlight passeia em meio a melodias detalhistas, vozes e batidas deliciosamente dançantes, prontas para as pistas. Trata-se de um olhar curioso para a produção dos anos 1970, estrutura que parece dialogar com a obra de conterrâneos como Mr. Twin Sister e toda uma sequência de outras bandas que tem encontrado na música entregue há mais de quatro décadas um importante alicerce criativo. Instantes em que o TOPS evidencia o próprio amadurecimento em estúdio.

I Feel Alive (2020) será lançado em 3/4 via Musique TOPS.



TOPS – Direct Sunlight