TSHA: “Sacred”


Ouvir o trabalho da britânica TSHA é como percorrer três ou mais décadas de referências em uma linguagem deliciosamente acessível e autoral. De origem londrina, porém, fortemente influenciada pela cena eletrônica de Berlim, onde foi residente durante um curto período de tempo, a produtora parece encontrar em diferentes articulações do gênero o principal componente criativo para a formação da própria identidade musical, conceito que se reflete na produção do segundo e mais recente single da artista: Sacred.

Sequência ao material entregue pela produtora no EP Dawn (2018), obra que contou com a colaboração de nomes como Jay Wilcox e Marc TC, a nova faixa se espalha em meio a sintetizadores atmosféricos e pequenas curvas rítmicas que delicadamente convidam o ouvinte a dançar. São camadas de batidas e samples que parecem apontar para o trabalho de veteranos da cena britânica, caso de Four Tet e, principalmente, Jon Hopkins, artista que lançou há poucos meses uma de suas obras mais complexas, o excelente Singularity (2018). (Via)


TSHA – Sacred

Jornalista, criador do Miojo Indie e integrante do podcast Vamos Falar Sobre Música. Já passou por diferentes publicações de Editora Abril, foi editor de Cultura e Entretenimento no Huffington Post Brasil, colaborou com a Folha de S. Paulo e trabalhou com Brand Experience e Creative Copywriter em marcas como Itaú e QuintoAndar. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.